VIVÊNCIAS PEDAGÓGICAS MARCAM O SEGUNDO DIA DO ENCONTRO DE EDUCAÇÃO BIOCÊNTRICA

VIVÊNCIAS PEDAGÓGICAS MARCAM O SEGUNDO DIA DO ENCONTRO DE EDUCAÇÃO BIOCÊNTRICA
                Troca de experiências e reflexão fazem parte do Evento que acontece em Gravatal (SC)

O V Encontro de Ação Social e Educação Biocêntrica teve início nessa quinta-feira (19) e segue até domingo (22) no município de Gravatal/SC. Promovido pela Associação Matakiterani, o objetivo principal é de apresentar ações que visam à transformação da sociedade. O Evento revela a metodologia da Educação Biocêntrica aplicada juntamente com vivências sócio educativas e aprendizado de geração de renda, “as pessoas desenvolvem a autoestima, potencializam a inteligência afetiva, possibilitando autonomia e cidadania, além da integração pessoal e familiar”, diz Rosaura Couto, Coordenadora da ONG Moradia e Cidadania e Coordenadora do Encontro.

Nessa sexta-feira (20) quatro atividades marcaram a manhã dos participantes. A primeira, intitulada Capacitação de Recursos para Projetos Sociais tratou sobre a identificação de fontes de recursos – financeiros, físicos e humanos – com o objetivo de capacitar sonhos, realizar ideias e transformar realidades através de Projetos Sociais.

Uma outra atividade tratou de um tema que cerca nossa vida diariamente: a mediação. Intitulada Mediação de Conflitos e ministrada pelo Advogado Ricardo Dornelles, a oficina tratou sobre a importância de se ajudar as pessoas em uma situação de conflito. De acordo com Dornelles algumas técnicas podem ser aplicadas no dia a dia, como trabalhar a escuta, a objetividade, o foco, o acolhimento e a voluntariedade. “O mediador não é uma pessoa que dá conselho, e sim, auxilia as demais a buscarem uma reflexão, e a entenderem como elas poderão resolver o conflito da melhor maneira”, explica Dornelles.

Cheila Ludvig participa pela primeira vez do evento e escolheu esta atividade para agregar conhecimento ao trabalho que ela já realiza: assistente social em um Fórum da região. “Eu não tinha ideia de que podia trazer os elementos da Educação Biocêntrica para minha área profissional e está sendo ótimo”, diz Cheila.

Já a vivência pedagógica sobre Economia Solidária apresentou a convergência entre os princípios da economia solidária e a Educação Biocêntrica a partir do Projeto Ziguezagueando Cortando Reto, desenvolvido em Porto Alegre pela Rede de Organização e Cidadania – Rinaci.

E por fim, a vivência Cuidando das Novas Gerações, objetivou promover por meio da incubação a formação e o conhecimento necessários para a criação e o funcionamento de grupos Associativos visando à autogestão, à sustentabilidade econômica e ambiental, e à cidadania ativa. Com uma roda de diálogo e práticas os participantes puderam trocar emoções, contato e praticar a vivência.

A Diretora-presidente da Fundação Municipal de Desenvolvimento Social de Tubarão (SC), Jane Dal-Bó Falchetti, participou da vivência juntamente com um grupo formado por profissionais dessa área da prefeitura e acredita que a Educação Biocêntrica vem ao encontro do trabalho que se espera dentro da Fundação. “Nós trabalhamos com idosos, mulheres, adolescentes, e estar participando desse Encontro cheio de energia e equilíbrio ajuda a oferecer um serviço de mais qualidade para o próximo”, revela Jane.

A sexta-feira também contou com Rodas de Diálogos e Círculos de Cultura abrangendo temas como Ação Social, Educação Biocêntrica, Saúde e Cultura Biocêntrica. A noite terminou com a apresentação de monografias.

Atividades da Tarde dia 21/09

Imagem

O V Encontro de Biodanza e Ação Social e II Encontro de Educação Biocêntrica do Sul trouxe na tarde de sábado (21/09) atividades musicais. O Educador Social Alessio Surian (Itália) realizou trabalho de percussão corporal, acompanhado em determinados momentos de músicos locais e elaborando músicas a partir do corpo das pessoas. Abrindo a atividade o Ponto de Cultura – Cultura no Rumo de São João Maria levou ao Encontro o Babalorixá Márcio Proenço e o tamboreiro Elis Preley e sua filha Eduarda para mostrar alguns toques e cantigas de Preto Velho e divulgar as ações do Projeto Que Terreiro é Esse! da Associação Matakiterani, que além de representantes dos Povos de Terreiro trouxe as mulheres o Grupo Produtivo do Projeto Revitalização do Artesanato de Referência Cultural, com uma feira dos produtos em Pet, Fibras Naturais e Fios.

Transmissão ao vivo do Encontro

Link

O V Encontro de Biodanza e Ação Social e II Encontro de Educação Biocêntrica do Sul está sendo transmitido ao vivo por streaming. Para acompanhar as atividades acesse o link abaixo:

 http://www.ustream.tv/channel/encontro-de-biodan%C3%A7a-e-a%C3%A7%C3%A3o-social

GRAVATAL RECEBE ENCONTRO DE EDUCAÇÃO BIOCÊNTRICA

 

GRAVATAL RECEBE ENCONTRO DE EDUCAÇÃO BIOCÊNTRICA

A programação que iniciou nessa quinta-feira (19) segue até domingo (21)

 

Aproximadamente duzentas pessoas compareceram ao evento de abertura do V Encontro de Ação Social e Biodanza e II Encontro de Educação Biocêntrica do Sul, nesta quinta-feira, 19, em Gravatal (SC). Abrindo os trabalhos, a Escola Faustina da Luz Patrício de Tubarão (SC), apresentou a dança do Boi de Mamão. A ação das crianças envolvidas em um só ritmo emocionou diversas pessoas presentes no encontro.

A ONG Moradia e Cidadania, responsável em realizar o Encontro, ajuda a Escola desenvolver um trabalho pioneiro na cidade onde a instituição está sediada: a utilização da Biodanza e da Educação Biocêntrica na sala de aula. Com o objetivo de valorizar a cultura da região, os elementos que compõe essa dança trazem traços peculiares, próximos das crianças.

 

De acordo com Gisele Paes e André Luis Simoni, integrantes da ONG e que atuam na escola como professores de Biodanza, a apresentação folclórica elaborada para a abertura do evento foi algo inesperado, com a convivência entre os alunos as coisas simplesmente aconteceram.

“O que a escola e a ONG fizeram para o Zé do Boi não há palavras que explique”, declara o homenageado e voluntário, José.

Os integrantes da ONG, pais e professores apoiaram e colaboraram para que a dança pudesse ser apresentada. A atual gestora da instituição, Cristiane Martins Matias, comentou que a partir do momento que esse tipo de atividade começou a ser realizada entre os estudantes, muitas coisas mudaram. “A Biodanza vem para preencher uma lacuna que trabalha diretamente nas relações afetivas, e isso faz toda a diferença”, disse.

Em um segundo momento houve uma dinâmica de integração entre os participantes. Muita reflexão, reforçando os sentimentos e a emoção. O momento de vivência entre os integrantes do grupo significava para a maioria uma transmissão de sentimentos bons e energias positivas. A Educação Biocêntrica trabalha a relação entre um ser humano e outro, além disso, busca viver cada momento como se fosse único.

“Na medida em que eu consigo me colocar no lugar do outro, eu abro a minha percepção. Quando saio de um lugar individualista e me abro para ir ao encontro de outra pessoa ou outra situação, acabo aumentando o leque das possibilidades, valorizando aquilo que eu tenho”, afirma a Coordenadora do V Encontro de Ação Social e Biodanza e II Encontro de Educação Biocêntrica do Sul, Rosaura Couto.

O atual gestor do município de Gravatal, Alvaro José Medeiros Júnior, mostrou que Gravatal além de ser uma cidade turística, apoia ações como essa. “Tudo que desenvolve o ser humano tanto na parte física, como intelectual é importante, sem dúvida nenhuma”, revela.

Constantino Rodrigues de Freitas é Secretário de Assistência Social de Gravatal e professor de Biodanza. Conheceu este modo de vida em 1986 e desde então construiu uma carreira abordando o tema. “A biodanza é dançar a vida, buscar a emoção nas coisas que se faz na vida, encontrar a emoção de viver. Viver com intensidade e buscar a poesia no encontro humano”, diz.

Além de Gerente de Políticas de Turismo da Secretaria de Turismo Cultura e Esporte do Estado de Santa Catarina, Marta Regis Fogaça é outra Facilitadora de Biodanza. Formada em Educação Biocêntrica, a Gerente esteve presente na abertura do evento. “O turismo de bem estar vem crescendo muito, e Gravatal com as instâncias termais tem essa oportunidade de diversificar o mercado. E eventos como esse que traz pessoas com qualidades afetivas, é uma atividade diferenciada, onde trabalha linha de vivência”, afirma.

Participaram da abertura do evento o Prefeito em Exercício de Gravatal, Álvaro José Medeiros Júnior, o Secretário de Assistência Social, Constantino de Freitas, o Secretário de Turismo, Fabricio Lorenzeti, o Coordenador da ONG Moradia e Cidadania do Rio Grande Do Sul, Artur Almeida, a Coordenadora do Evento e da ONG Moradia e Cidadania, Rosaura Couto, a Gerente de Políticas de Turismo do Estado de Santa Catarina, Marta Fogaça, o representante da Caixa Econômica Federal, Ivonir Carlos Volpato, a Presidente da ONG Moradia e Cidadania, Rosangela Albuquerque, a Co-criadora da Metodologia da Educação Biocêntrica, Ruth Cavalcante  e a Facilitadora  Didata de Biodanza, Elida Eichemberger.

DE MÃOS DADAS UM NOVO MUNDO É POSSÍVEL

Troca de experiências, música, dança e reflexão farão parte do V Encontro de Ação Social e Biodanza e II Encontro de Educação Biocêntrica do Sul 2013

O V Encontro de Ação Social e Biodanza e o II Encontro de Educação Biocêntrica do Sul que acontecerá no município de Gravatal/SC entre os dias 19 e 22 de setembro desenvolve uma integração entre profissionais de Educação Biocêntrica, facilitadores de Biodanza, educadores sociais, profissionais da área da saúde, assistência social e o público em geral. A ação potencializa a criação de redes afetivas entre os participantes, que realizam, durante os três dias, trocas de experiências, momentos reflexivos, participação em práticas educativas, além de minicursos, compreendendo as áreas da saúde, assistência social e da mediação. O objetivo é trabalhar a centralidade em uma ética preservativa em respeito à vida.

O encontro realiza uma série de atividades com embasamento na prática pedagógica da metodologia da Educação Biocêntrica, que propõe um novo estilo de vida em busca da integração do ser humano com o universo. “Um dos enfoques que reforçam a educação cidadã, cultural e social, no encontro, é estipulado por meio da Biodanza, agindo a favor da vida e iniciando o processo de ‘mergulhar dentro de si’”, revela a Organizadora do evento, Rosaura Couto.

O evento conta com uma diversidade de rodas de diálogos e círculos culturais, também haverá a participação de palestrantes nacionais e internacionais. A programação completa pode ser acompanhada pelo site: biodanza.cultura.sc

O que é Biodanza?

A Biodanza é um instrumento fundamental para a relação afetiva, através da troca de vivências, compartilhamento de emoções e desenvolvimento da integração dos seres humanos. Ela atribui as atividades como: afetividade relacional, expansão da consciência, estímulos a dança, música e dinâmicas integrativas.

Saiba o é Educação Biocêntrica

A Educação na sua forma mais simples já não é suficiente para o mundo atual. Hoje, é preciso agregar outros conceitos para que os resultados sejam eficientes. Uma dessas áreas abrange ações de relação do ser humano: a educação biocêntrica. Muito mais que uma proposta pedagógica escolar, comunitária ou organizacional a Educação Biocêntrica passa a integrar um estilo de vida. Ela é reconhecida por: objetivar a reeducação da vida, propiciar o fortalecimento da pessoa como um todo, tomar a vida como referência para a construção do conhecimento, através da relação consigo mesmo, com o outro e com o ambiente.

Biodanza: a vida expressada em ritmos

Um grupo em círculo, e na conversa, temas sobre vivência, o sagrado e a vida como o centro do mundo. Essa poderia ser uma roda de amigos qualquer, pessoas que se encontraram por acaso, e que resolveram simplesmente refletir sobre a vida, mas não. Essa roda é diferente.

Ao chegar no espaço reservado para as aulas de Biodanza, realizadas em Tubarão, sul do Estado de Santa Catarina, é possível perceber o quanto o local é revigorante, e como as pessoas são gentis. Em círculo, ou se preferirem, em forma de mandala, conhecida universalmente como símbolo da integração e da harmonia, um grupo pequeno de pessoas seguram as mãos uma das outras, e com uma música ao fundo, estabelecem novas formas de comunicação e de vínculos afetivos. É como se cada participante encontrasse uma permissão para expressar, sem medos ou vergonhas, sua identidade.

Com um sorriso no rosto, olhos perceptivos ao próximo e um ritmo próprio, o grupo começa a se conectar e a descobrir sua essência. A música, nas aulas de Biodanza, é um instrumento de mediação entre a emoção e o movimento corporal. Uma linguagem universal entendida por todos. Os sentimentos guardados florescem, por diversas vezes, à medida que os exercícios vão ficando mais profundos, mais expressivos. Em par, em grupo ou individualmente cada pessoa estabelece um novo contato com o mundo, um conhecimento que vem antes mesmo da palavra. É o se descobrir pelo movimento.

A dança consiste em gestos e expressões plenos de sentido vital. É um ritmo biológico, ritmo do coração, da respiração, é um movimento de intimidade.

E por mais inusitado que essa integração humana possa parecer, o sistema da Biodanza não é novo. Foi em 1965, que Rolando Toro – psicólogo, antropólogo, poeta e pintor chileno – iniciou seus primeiros trabalhos de dança, com pacientes do Hospital Psiquiátrico da Universidade de Santiago (Chile). A partir daí o Sistema se espalhou pelo mundo.  Hoje, dezenas de países possuem a Biodanza como prática na inter-relação humana.

Testar o método da Biodanza é o mesmo que auxiliar o nosso corpo no processo de mudança em diversos níveis: neurológico, endócrino, imunológico e emocional. E ao final de cada aula, começamos a entender que cada ser humano pode ser uma expressão singular e genuína de Vida.